Foi a vez do Family Building conhecer a Filipa, o João, a Francisca e a Margarida.

A Filipa é a mãe desta família, tem 31 anos e adora organizar uma boa festa e receber amigos em casa. Com a família a crescer, fez uma pequena pausa. Mas gosta de viajar, ir a concertos e à praia. Os doces são a sua perdição. O João, o pai, de 31 anos, é antigo piloto profissional de automobilismo. Continua a ter uma grande paixão por carros, mas ultimamente tem sido mais por carrinhos de bebé. Gosta de correr, jogar futebol e de dar passeios de bicicleta com a Francisca. A Francisca, a filha mais velha, que está quase a completar 2 anos, no mesmo dia de anos do pai, é fã do panda, gosta de dançar e o seu prato preferido é peixe com couscous. A Margarida, o membro mais recente desta família, tem apenas 2 meses de idade, e adora o leitinho da mãe, de ver a irmã a brincar e que cantem para ela.

Gostariam de nos contar como tudo começou? Como foi ser mãe/pai pela primeira vez e qual o impacto que teve na vossa vida?

Filipa – Conhecemo-nos através de amigos em comum e aos 15 anos acabámos por frequentar o mesmo colégio. Rapidamente nos tornámos grandes amigos, mas foi preciso o João ir viver para Inglaterra para percebermos que havia um sentimento entre nós para além da amizade. Começámos a namorar com 20 anos. Estamos prestes a comemorar três anos de casados e temos 2 filhas, que são o nosso maior orgulho.

Ser mãe é a melhor experiência de sempre, é uma aventura constante. Com o nascimento da Francisca parece que tudo mudou, mas na realidade nada mudou. Sinto que cresci, estou mais adulta, dou mais importância às coisas simples da vida, sou mais organizada e giro melhor o meu tempo, mas sinto que continuo a ser a Filipa: amiga, mulher, filha que sempre fui. Com o nascimento da Margarida, a logística é um bocadinho mais difícil até porque são as duas muito pequenas, tendo apenas 19 meses de diferença, e, por isso, exigem muito de nós. Mas é apenas uma fase. Daqui a uns tempos, acredito que serão melhores amigas, brinquem muito uma com a outra e me deixem dormir mais um bocadinho (risos).

João- Embora já tivéssemos amigos próximos com filhos, uma pessoa nunca está verdadeiramente preparada até passar por esta experiência.

Somos bastante calmos e descontraídos e mantivemos este espírito um dia de cada vez. Tentámos ao máximo manter, minimamente, o mesmo estilo de vida, primeiro a três e agora a quatro. Hoje em dia os programas têm de ser mais planeados. Durante a semana temos uma rotina, até porque as rotinas são fundamentais para as crianças. Mas não encaro isso de forma negativa, até pelo contrário, quando estou com os meus amigos aproveito ao máximo o tempo que tenho com eles.

Sabemos que todos nós enfrentamos variados desafios ao longo da vida. Quais foram os maiores desafios que sentiste ao longo do tempo, enquanto mãe? E como lidaste com eles?

Filipa – O maior desafio é sem dúvida o educar. Temos de ter consciência de que tudo o que fazemos, as nossas atitudes, os pequenos gestos, a forma como falamos, como comemos, estão a ser constantemente analisados pelos nossos filhos e têm um grande impacto na vida deles. Diariamente, eles testam os nossos limites e põem-nos à prova, e há dias que são uma verdadeira loucura.

A Francisca está a entrar na fase das birras e apesar de gostar muito da “bébé”, acreditamos que o nascimento da irmã veio acentuar um bocadinho as chamadas de atenção através do choro ou dos brinquedos a voar pela casa. Chora porque não quer pôr o babete, porque não quer jantar ou porque quer a chucha da irmã. O nosso papel é conseguir manter a calma, tentamos sempre o diálogo com bastante paciência e persistência mas todas estas situações aliadas ao cansaço e por vezes às poucas horas de sono são um verdadeiro desafio.

Podemos ler livros, saber a teoria, mas a prática é uma realidade bem diferente. Se estamos a fazer da forma mais correcta? Não sei, tentamos. Embora digam que as birras estão apenas a começar, julgo que quando a Francisca falar será tudo mais fácil.

 O que é para vocês “Ser família”?

Filipa- É um desafio, é deixarmos de ser egoístas e de forma natural e espontânea pensarmos primeiro nos outros, sabendo que os outros pensam primeiro em nós.
A minha família tem inúmeros defeitos mas acredito que a união, cumplicidade, diálogo e alguma paciência são a base para uma família feliz. E sim, sinto-me uma sortuda porque posso dizer que sou muito feliz.

João- Ter uma família é como ser Natal todos os dias. É ter diariamente um monte de presentes, uns bons, outros menos bons, mas acima de tudo uma enorme alegria. É voltar a ser criança novamente… porque voltamos a ter vontade de brincar a toda a hora. Aliás, sinto que as minhas filhas me ensinam diariamente a brincar e que rir é um dos programas preferidos da família!

 

O que é para ti “ser mãe”?

Filipa – É finalmente perceber o que os meus pais sentem por mim. É um amor que não consigo descrever. É um projecto para a vida e a maior responsabilidade que tenho e que algum dia terei.

É desenvolver a capacidade de conseguir realizar várias tarefas em simultâneo, como por exemplo, conseguir comer enquanto também dou jantar à Francisca e tento adormecer a Margarida ao colo. Já nem explico a aventura que foi fazer o jantar!

Ser mãe é uma aventura, e melhor que ser mãe de um filho é ser mãe de dois. Mas o mais importante é nunca, mas nunca, esquecer de ter na mala bolachas Maria e toalhitas!

E o que é para ti “ser pai”, João?

João – Ser pai é a melhor coisa do mundo, é ter nos braços uma parte de nós, ainda por cima dizem que elas são a minha cara! (risos). Confesso que a responsabilidade de cuidar de alguém que depende inteiramente de nós é um bocado assustadora, mas é indescritível o quão gratificante é ver os nossos filhos a crescer. O começar a andar, o começar a falar, a felicidade que sinto ao ver cada uma delas atingir estas etapas é uma felicidade que nunca senti antes. O bom de ainda serem pequenas é que muitas mais etapas virão!!

O que acham que a Francisca gosta mais de fazer com a família?

A Francisca está agora a começar a falar, todos os dias diz uma palavra nova. Mas acredito que se falasse, diria: passear – sempre que perguntamos se ela quer ir passear desata a correr para porta; andar de bicicleta, é uma actividade recente mas pelo histerismo acreditamos que está no top de programas preferidos; e jogar às escondidas, “cantar” músicas e fazer bolas de sabão estão no top de actividades diárias mas que não se cansa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obrigada aos quatro por esta incrível entrevista!

 

Porque Pais Positivos criam famílias saudáveis e confiantes! 

Leave Your Reply